sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Eu não sou uma extensão de você

Este post é para falar sobre relacionamentos.
Na verdade a maioria dos meus posts são.

Diariamente vemos relacionamentos se acabando, claro que cada um deles tem suas particularidades e razões próprias, mas em conversas e observações cotidianas, tenho percebido que o assunto que trato no texto que segue é bem mais comum do que pensava.

Ultimamente tenho analisado pessoas que pensam que o outro é uma extensão de si mesma.
Meio confuso? Vou tentar simplificar:

Você está num relacionamento com um outro ser, vocês são duas pessoas diferentes, com personalidades diferentes, caráteres diferentes, criações diferentes e uma gama de outras diferenças que nem gêmeos univitelinos escapam. 
Uma vez que por mais que tenham nascido da mesma placenta, esses dois seres são distintos e tem vontade própria. Inclusive são duas almas.
Então, por que dentro de uma relação uma das partes espera que a outra seja uma extensão de si mesma?
Deve ser a ideia da costela do Adão...




Em casos como esse é muito comum o uso de falas do tipo: Eu não faria isso, eu não postaria isso na minha rede social, eu não gosto que você seja amigo de fulano, eu não gosto que você jogue futebol, eu quero que você vá à igreja todos os domingos, eu quero que você vá ao batizado do cachorro da mãe da minha melhor amiga, etc, etc, etc...

Querer que o outro pense como você é querer torná-lo uma continuação sua, se você queria isso, deveria pensar em ficar só, porque nunca encontrará alguém que seja igual a você. NUNCA.
Eu demorei a entender a máxima de que os opostos se atraem. 
Na verdade, é preciso juntar opostos para haver equilíbrio no mundo.

Quando você quer que o outro mude por pensar diferente, você falta com o respeito, agride sua individualidade, escraviza, prende, sufoca e com o tempo perde. 

Indubitavelmente.

Não precisa ser nenhum gênio para prever o resultado disso que é um iminente fracasso na relação.

Geralmente, quem pensa assim vai usar argumentos do tipo: "Se você sabe que eu não gosto, então por que faz?"
Isso vai funcionar por um tempo. Só por um tempo. 
Depois vira prisão, frustração e fim da relação.
Ninguém é igual a ninguém. 
Vale refletir o que fez com que você quisesse estar com aquela pessoa e o que antes não incomodava, agora incomoda.
Todo mundo muda o tempo todo a forma de pensar, mas a essência, aquela que fez com que se aproximassem um dado momento da vida, essa, permanece até o fim.
Seja e deixe ser.
Não tente ler. Não tente prever. Não julgue. Não meça forças.
Viva e deixe viver.


2 comentários:

Blog da Superação disse...

Adorei!

Rodrigo de Freitas Oliveira disse...

Legal o post, mas, acho que todos temos um pouquinho disso. Podemos não expor mas por dentro um pouquinho tem.