domingo, 25 de maio de 2014

Levanta-te e anda


Gosto de conversar com pessoas inteligentes, mas o tipo de pessoas que mais admiro, são as visionárias.
As pessoas que não tem medo de se arriscar em algo novo.
Pessoas estas que vão onde nunca ninguém esteve só para ver se é bom, e se não for, não se arrependem, simplesmente não param de buscar novas possibilidades.

Ultimamente, tenho me deparado com muitas pessoas assim. Que veem além.
Gosto de ouvi-las e delas tiro grandes aprendizados.
Fico pensando o que seria do mundo sem estas pessoas.
 
Todos nós guardamos um visionário dentro do coração, mas nossa mente nos limita, por causa da nossa constante ideia de nos sentirmos incapazes de irmos e fazermos,  por causa de questões moralistas, por preocuparmo-nos demais com o que os outros vão pensar.

Perdemos oportunidades incríveis por uma simples questão de mudarmos nosso modo de pensar e de às vezes, não ouvirmos a voz do nosso coração.
Quando você deixa o coração falar, aí você vai lá e faz...

Você tem cinquenta por cento de chance de dar certo e outros cinquenta de dar errado.
Mas e daí?! 
Eu tinha uma amigo que sempre me dizia: "Vá e faça! O não a gente já leva no bolso e o máximo que pode acontecer é você ir lá e ganhar um sim."
E um outro amigo que me disse: "Quando chegamos ao fundo do poço, não temos mais para onde ir, então, nos resta bater o pé no chão, tomar impulso e voltar a emergir".
Eu fiz um Leader Training de alto valor para acordar meu coração, que estava adormecido para as coisas nas quais sempre acreditei, mas que com o tempo, os erros e a convivência com pessoas que só nos põe pra baixo, havia me esquecido.

 
A imaginação é mais importante que a ciência, porque a ciência é limitada, ao passo que a imaginação abrange o mundo inteiro. (Albert Einstein)


Os grandes homens que passaram pelo mundo, responsáveis por grandes feitos e descobertas, eram visionários, e se não fosse por eles, estaríamos até hoje vivendo na era das cavernas.
Homens admiráveis, que foram, viram e venceram, homens que foram, viram e não venceram, mas que continuaram tentando.
PERSISTIR e DESISTIR são antônimos e só mudam a primeira sílaba e somos nós quem escolhemos qual delas vamos tirar da nossa vida.
Eu resolvi que eu vou mesmo sem coragem, mesmo sabendo que posso falhar.
Os passos que darei daqui pra frente, muito bem pensados, como sempre foram, serão mais seguros.
Acredito que com os erros ou os enganos podemos adquirir experiências, para da próxima vez, fazermos melhor.
A oportunidade passa galopando e cabe a quem quiser tê-la jogar o laço e dominá-la.

Existem pessoas que tem dom, que tem inteligência e que simplesmente não usam.
E existem pessoas que não têm as duas coisas, mas que tem força de vontade, levantam, andam, vão lá e vencem!
O título desse post, não é mera coincidência, é como um chamado para se levantar e voltar à vida. Sair da zona de conforto, do comodismo confortável, da segurança vazia dos relacionamentos, do trabalho, do salário fixo no final do mês.
É um chamado para arriscar-se e realizar.
Quando erramos também realizamos diferentemente de quando não fazemos nada.
Levanta-te e anda!
Busque o novo, busque novas possibilidades. Construa. Deixe um legado.
A vida passa rápido e quando passa, não volta mais.















segunda-feira, 12 de maio de 2014

Eu acredito num futuro melhor

Um dia desses estava conversando com uma amiga sobre a esperança que eu tenho no futuro.
Vivemos numa sociedade onde as pessoas pensam estar isentas das suas responsabilidades com o meio em que vivem.
Só que muitas das vezes nos esquecemos que tudo o que acontece no mundo tem uma cota de responsabilidade nossa.
Se coisas ruins existem e não estamos fazendo nada para diminuir o mal, de alguma forma, estamos contribuindo com que ele cresça de maneira indireta.

Mas eu dizia que tenho esperança no futuro.

Quando eu era ainda uma jovem e idealista aluna do Ensino Médio, eu decidi que queria ser professora.
E assim o fiz.
Sempre acreditei que com a minha maneira de ver o mundo, poderia fazer a minha parte, plantando nos corações dos meus alunos a mesma esperança e espírito de mudança que em mim habitava.
Por várias vezes me perguntei em como eu poderia fazê-lo.

Descobri no decorrer destes 5 anos de trabalho na educação que todo coração é um terreno fértil e nele só crescerá o que plantarmos.
Eu decidi plantar a semente do bem.
Eu decidi mostrar a todos os meus conduzidos que temos que ser cabeças pensantes.
Que devemos levar a vida com leveza e principalmente amar as pessoas.
O que mais falta no mundo é amor.

Chegamos num momento decisivo do mundo onde muitos valores se perderam. Onde muitas mudanças ocorreram e há milhares de mudanças ainda por vir.
Muitos de nós podem pensar que não tem nada a ver com isso.
A forma com que pensamos é que se existe a violência e não a praticamos, não é problema nosso.
Se as pessoas passam por necessidades, se sofrem, se têm problemas de saúde e não são atendidas desde que estejamos tranquilos com nossas vidinhas, com o necessário para termos tranquilidade e conforto nada do que acontece no mundo é de nossa conta.

Quando converso com a juventude de hoje e vejo que eles são tão privilegiados com seu acesso ao conhecimento, ao mundo, à arte e à cultura, repito: tenho esperança num futuro melhor.
Acredito que esses mesmos meninos e meninas com os quais me deparo diariamente, em sua grande maioria, tem consciência do grande poder que têm nas mãos e irão mudar o mundo.
Irão resgatar tudo o que se perdeu e faz falta para que tenhamos uma vida mais humana.
Uma vida de gentilezas onde ao entrarmos em um elevador, todos aqueles desconhecidos se cumprimentem, sorriam, se despeçam. E que hoje parece ser coisa de outro planeta.
Um mundo onde as pessoas sujas sejam em menor quantidade ainda, porque, se você não sabe, no mundo ainda existe mais gente boa do que má.
Os jornais não noticiam a felicidade, o bem que é feito anonimamente, o garotinho que encontra a bola solitária e faz o gol estádio cheio de gente.
A TV não te mostra que nas escolas existem meninos talentosos, que se destacam nas artes, nos esportes, na música.
Não conseguimos enxergar que no mundo, ainda existem mais coisas boas, todavia, as ruins são as que mais se destacam, porque dá audiência mostrar o cara que entrou na escola e matou vários alunos, o menino que matou a família e a menina que matou os pais e foi para o motel.
A realidade que impera é a dos falsos profetas, dos falsos bons samaritanos que ajudam uma pessoa em cadeia nacional porque dá ibope.
Os meninos e meninas do meu futuro sabem distinguir isso.
Pode levar muito tempo, eu sei, mas eles já na flor da idade entendem mais de como a vida funciona do que eu, ou você que já chegamos no meio dela e que só agora notamos que podemos contribuir com a mudança que queremos ver no mundo.