sábado, 11 de maio de 2013

Nunca saímos perdendo



Há tempos venho pensando em escrever este post.

Sobre perdas e ganhos.

Depois de um trabalho intensivo na busca por mim mesma e a tentativa de resgate das relações com o outro, de enfrentar meus medos, minhas dúvidas, cheguei à seguinte conclusão: NA VIDA, NUNCA SAÍMOS PERDENDO.

Sempre temos opções. Por mais que achemos muitas vezes que ela seja injusta.

A única coisa que não temos escolha é sobre a morte.

Mas no decorrer de toda a nossa vida, sempre temos possibilidade de escolher.

Imagine que estamos caminhado diariamente por uma estrada e que nela existam curvas e também bifurcações.

Assim é a nossa vida.

É um cair e levantar constante.

As vezes inúmeras bifurcações em um curto trecho. Mas nunca podemos parar e nem voltar atrás. 

Temos que escolher o rumo a tomar e seguir mesmo diante de uma encruzilhada.

Ninguém escolhe o nosso caminho; ninguém faz escolhas na vida por nós.


Algumas pessoas podem nos orientar ou tentar aconselhar em determinados pontos do trajeto, mas ninguém pode fazer o percurso por você.

José Saramago diz "Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho de convencer é uma falta de respeito, é uma tentativa de colonização do outro."

Cada um é dono e responsável por suas próprias escolhas.

Quanto a nós mesmos, temos possibilidades de escolher que rumo tomar. 

Quanto ao outro, também.

O que não cabe a nós e nem às outras pessoas é escolher um caminho errado e depois ter medo ou vergonha de mudarmos o rumo da nossa história. Nos acomodarmos.

Sempre podemos virar na outra esquina, ou seguir pela direita...

A vida é feita de escolhas certas e erradas.

Escolhas que são feitas a cada dia e por que não dizer a cada minuto, devido à  rapidez com que o tempo tem passado?!

Dela nunca saímos perdendo. 

Sempre colhemos algo de bom ou de ruim, mas que nós quisemos colher. Nós optamos.

A única coisa que não podemos escolher é quem vai ficar em nossas vidas, mesmo por que o outro também escolhe ir ou ficar.

E também não podemos optar por não morrer. Não ainda.

O resto, minha gente, para todo o resto temos alternativas.

É você que faz a beleza do seu caminho com as suas escolhas.

A grande verdade é que nunca sairemos delas com as mãos vazias.