domingo, 15 de abril de 2012

Afinal o que querem os seres humanos?!



Fico vendo as redes sociais, bombando de pessoas que reclamam de solidão, relacionamento, mandam indiretas, se expõem...
Penso em quanto bem poderia ser feito através de um mural de Facebook, por exemplo, é possível fazer carinho, mobilizar, tornar o dia de alguém mais colorido com um simples sms no celular. 
A gente pode até compartilhar uma bobagem ou uma piada vez ou outra.
Compartilhar algo que todo mundo compartilhou...
Mas não devemos fazer disso o nosso único meio de acesso com o mundo.
As pessoa não se vêem mais, não conversam, não saem mais de casa...
Abrem mão de uma boa conversa, um olho no olho, um toque de mãos, um abraço, um beijo... 
Onde eu quero chegar?
Vou dizer a você agora.
Vejo pessoas reclamando de falta carinho, de atenção,  de fracassos nas relações, de amizades falsas... o diabo a quatro via Facebook.
Mas na verdade, vejo que o mundo vai caminhando para formar um exercito de pessoas que não sabem o que querem. E eu não estou fora desse exército.
Alguém chega e reclama que você não dá carinho. Que você está "seco", estranho...
Você dá carinho, atenção, a pessoa reclama que você exagera, que está sufocando...
As pessoas se acham no direito de poder fazer o que querem, mas não podem se colocar no lugar do outro e ver como realmente estão agindo.
Reclamam, apedrejam via Facebook, com fotos, letras em caixa alta, músicas, via sms...
Mas a pergunta é: Será que estamos sendo tão bons quanto temos cobrado?
Depois de um ano de terapia e experiências empíricas, posso dizer: Não, não sou perfeita, não faço o que cobro do outro. Tenho exclusiva responsabilidade sobre as coisas que me acontecem e só eu as posso mudar.
Se não está bom para mim, ou para você, a chave da mudança está na nossa mão.
Se achamos que não merecemos certas coisas ou que merecemos mais, cabe a nós buscarmos o que falta, sem esperar do outro e sem culpá-lo por isso. 
Se achamos que não precisamos passar por certas coisas, vamos dar um basta!
Ontem chorei, por uma situação que achava que não precisava passar, mas depois repensei e disse pra mim mesma: Estou nisso porque eu quero.
Então cabe somente a mim sair e buscar o que eu considero ser merecedora.
Mas é mais fácil jogar indiretas, ironias...
Esqueçamos o nosso lindo umbigo. O mundo não gira em torno dele e nem vai parar para consertarmos a nossa vida.
As coisas vão continuar acontecendo, a vida vai continuar seguindo seu curso...
Por isso, não espere, não deixe para depois, como disse no post anterior.
Quer o melhor? Busque.
Está ruim? Mude.
Não existe meio termo.
O que é importante e bom para você, só é importante e bom para você.
Ninguém vai lutar a sua luta, nem abraçar a sua causa, além de você mesmo.
Fato inquestionável.


4 comentários:

Historias... As vastas faces de Mim disse...

belas palavras...
o ser humano é um animal incrivel... é como se ele proprio fizesse sua dor, pois se a vontade é de sofrer ele sofre, porem ele escolheu isso... td no ser humano se trata de uma mera e simples escolha...

Haruka disse...

Interessante seu post.

Enfim, passei essa semana por algo conturbado que abalou meu psicólogico deveras... E a melhor forma que consegui encontrar para expressar o como estava me sentido além de lágrimas, era escrevendo o que não conseguia verbalizar em palavras... Chorei tanto, porque não compreendia o motivo que levou uma pessoa (dentro da família) a se colocar contra minhas crenças com valores que nem ela mesmo acredita e se acreditasse colocaria em prática o RESPEITO...

E foi em forma de um texto (facebook) que mesmo que tenha sido escrito indiretamente para uma única pessoa, consegui expressar de forma que abrangesse a situação atual do Ser HUMANO. E não é para essa condição que nós caminhamos? Estamos caminhando para sermos exclusos da verdadeira realidade, preocupados com nosso próprio umbigo, egocentristas, consumistas, exclusivistas... tanto "istas" que se perdem a conta...


Sempre respeitei o máximo e tentei aceitar a opinião, crenças, valores e etc... Julgo apenas se serão bons para mim ou não.

E o foda é que essas mesmas pessoas que reclamam da solidão, reclamam da infelicidade de suas vidas, são as que estão mais voltadas para si mesmos como retratado no texto. E o pior existem aquelas que se julgam donos de pseudos verdades, escondem-se atrás de falsos moralismos e máscaras... Respeito? E quem há de conhecer o que existe por trás da palavra respeito?

Estaria o homem do séc 21, fadado a construção de sua infelicidade, tentando nega-la através da sua superficialidade em que embarca em todas suas relações, em todos seus projetos, anseios e sonhos? Que tipo de SER HUMANO estamos preocupados em construir ou em SER? Até quando continuaremos a deixar: a arrogância falar em nossas atitudes e a desarmonia reinar em nossos corações? Ou deixaremos sermos consumidos por tudo que é êfemero?

Pois é... Parei, não vou tentar salvar mais o mundo... Cansei de ser mártir em algumas situações...

Vou tentar é salvar o SER HUMANO que ainda existe dentro de mim...

Ótimo Post Chris!

Jacqueline Barbosa disse...

Nossa cris que sábias palavras, infeliamente e dessa forma que muitos de nos agimos; E gostei muito do seu site

Chris disse...

Obrigada pelos comentários. Acho que se cada um começar a salvar o SER HUMANO que habita em si, sem se dar excessiva importância, ou maior importância que os outros, estaremos próximo de construir um mundo melhor.