terça-feira, 24 de abril de 2012

Papel Amassado

Domingo me deparei com uma frase elaborada por minha melhor amiga, Sámatha: "Relacionamento é que nem papel quando é amassado... não volta a ser igual !!! E escrever em cima de um papel amassado, é muito difícil. As vezes, quase impossível."


Sei que já falei inúmeras vezes sobre confiança.
Uma tecla que sempre insisto em bater...
Quando confiamos, entregamos muito do que somos, dos nossos desejos, da nossa essência.
Apostamos muito no que acreditamos no que o outro seja e vice-versa.
Minha amada inspiradora Teresa Cardoso deixou algumas postagens no mural do seu Facebook hoje e resolvi amarrar tudo...

"Na maioria das vezes, a pessoa que os outros acham que somos, só existe realmente dentro da cabeça deles.....Acho vem daí o grande número de frustrações nos relacionamentos."
Como disse anteriormente, apostamos muitas fichas e vice-versa, em uma ideia que fazemos da outra pessoa. Leia-se em:O amor é uma ideia e quando percebemos que a ideia fomos nós quem criamos, sofremos, nos frustramos e sempre achamos que o outro é errado.
Mas daí a pessoa tem as mesmas ideologias sobre nós, imagina que somos algo e não somos e quando se deparam com nossas verdades e imperfeições, não as aceitam e nos querem mudar.
"Quando eu me escolho, sei que estou perdendo coisas e pessoas....Mas eu me ganho. " (Hycner)

E essa última citação, para fechar o pacote, é sobre se escolher.
Quando nos colocamos em primeiro plano vamos de encontro a um mundo de críticas, de receitas que de o que fazer da sua vida...
As pessoas sempre tem a receita perfeita do que o outro deve fazer com a sua vida.
Me pergunto, se desse certo, muita gente teria uma vida perfeita.
Minha filha Anna me disse um dia que quando amassamos o papel, ele não serve para ser reciclado. Temos que picá-lo.
Então, batemos tudo no liquidificador da vida e refazemos um novo papel, com vários pedaços, de várias cores...
E neles reescrevemos uma nova história, ou a mesma, só que contada com cores diferentes. Cada um dá o tom que quiser. 


domingo, 15 de abril de 2012

Afinal o que querem os seres humanos?!



Fico vendo as redes sociais, bombando de pessoas que reclamam de solidão, relacionamento, mandam indiretas, se expõem...
Penso em quanto bem poderia ser feito através de um mural de Facebook, por exemplo, é possível fazer carinho, mobilizar, tornar o dia de alguém mais colorido com um simples sms no celular. 
A gente pode até compartilhar uma bobagem ou uma piada vez ou outra.
Compartilhar algo que todo mundo compartilhou...
Mas não devemos fazer disso o nosso único meio de acesso com o mundo.
As pessoa não se vêem mais, não conversam, não saem mais de casa...
Abrem mão de uma boa conversa, um olho no olho, um toque de mãos, um abraço, um beijo... 
Onde eu quero chegar?
Vou dizer a você agora.
Vejo pessoas reclamando de falta carinho, de atenção,  de fracassos nas relações, de amizades falsas... o diabo a quatro via Facebook.
Mas na verdade, vejo que o mundo vai caminhando para formar um exercito de pessoas que não sabem o que querem. E eu não estou fora desse exército.
Alguém chega e reclama que você não dá carinho. Que você está "seco", estranho...
Você dá carinho, atenção, a pessoa reclama que você exagera, que está sufocando...
As pessoas se acham no direito de poder fazer o que querem, mas não podem se colocar no lugar do outro e ver como realmente estão agindo.
Reclamam, apedrejam via Facebook, com fotos, letras em caixa alta, músicas, via sms...
Mas a pergunta é: Será que estamos sendo tão bons quanto temos cobrado?
Depois de um ano de terapia e experiências empíricas, posso dizer: Não, não sou perfeita, não faço o que cobro do outro. Tenho exclusiva responsabilidade sobre as coisas que me acontecem e só eu as posso mudar.
Se não está bom para mim, ou para você, a chave da mudança está na nossa mão.
Se achamos que não merecemos certas coisas ou que merecemos mais, cabe a nós buscarmos o que falta, sem esperar do outro e sem culpá-lo por isso. 
Se achamos que não precisamos passar por certas coisas, vamos dar um basta!
Ontem chorei, por uma situação que achava que não precisava passar, mas depois repensei e disse pra mim mesma: Estou nisso porque eu quero.
Então cabe somente a mim sair e buscar o que eu considero ser merecedora.
Mas é mais fácil jogar indiretas, ironias...
Esqueçamos o nosso lindo umbigo. O mundo não gira em torno dele e nem vai parar para consertarmos a nossa vida.
As coisas vão continuar acontecendo, a vida vai continuar seguindo seu curso...
Por isso, não espere, não deixe para depois, como disse no post anterior.
Quer o melhor? Busque.
Está ruim? Mude.
Não existe meio termo.
O que é importante e bom para você, só é importante e bom para você.
Ninguém vai lutar a sua luta, nem abraçar a sua causa, além de você mesmo.
Fato inquestionável.


Vamos deixar pra depois...

Há tempos estou com vontade de escrever algo sobre deixar para depois.
Inclusive eu mesma há tempos não escrevo um post, porque tenho deixado para depois...
Escrevo especialmente para as pessoas, que como eu, gostam de deixar para depois o que não pode esperar.
Eu tento fazer as coisas no tempo, mas ultimamente o tempo está tão escasso que tenho protelado.
Mas a correria da vida tem feito com que deixemos para depois as amizades, os relacionamentos...
Achamos que tudo pode esperar.
Que não vai estragar, que não vai sucumbir...
Que as pessoas estarão sempre disponíveis e à nossa espera.
Uma coisa apresenta um defeito e esperamos até que uma pequena fissura, se torne uma cratera e engula tudo numa só tragada.
Não é bem assim. 
As pessoas se cansam, as coisas se estragam... 
E por aí vai...
Eu estou protelando muita coisa. 
Mas não protelo pessoas. 
Isso nunca.
Mas tenho visto que nem sempre existe reciprocidade.
Estou cansada das pessoas que só lembram de me procurar quando estão mal. 
Que marcam as coisas e não dão nem satisfação.
Outras que combinam várias coisas com várias pessoas para o mesmo dia.
Pessoas que sempre esperam o pior acontecer e deixam uma coisinha boba tomar proporções catastróficas simplesmente para fazer depois... 
Depois que a merda já estiver feita.
Ou que tem tempo pra tudo, menos pra dar atenção de volta.
Sempre muito ocupados, achando que você vai estar ali para sempre, esperando...
Até quando?!
As vezes, é necessário deixar a luz vermelha do INDISPONÍVEL acesa.
É isso.