terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Mudar de casa

Recebi esse texto da minha amada Teresinha, minha professora, mestra, amiga, inspiração, flor mais linda e perfumada do meu jardim, e o estou publicando porque acho que muita gente ao ler vai se identificar...
Quem não acorda de manhã, olha em volta  e sente vontade de mudar de casa, de país, de planeta...?
Quem não olha pro rosto no espelho de manhã e se sente feio e tem vontade de mudar radicalmente o visual, comprar roupas novas...?
Após fazer isso, muitas pessoas ainda se sentem vazias, insatisfeitas e incompletas. Falo por experiência própria.



Apesar da total desassociação essa semana, enterramos meu Tio Geraldo. 
Que era uma pessoa que estava insatisfeita consigo mesma e fugiu de sua vida.  Mudou literalmente de casa, deixou para trás família, amigos e nunca mais procurou ninguém. Alcoolismo foi a causa número um. Talvez a vergonha de voltar tenha sido a causa número dois.
Passados oito anos, o reencontramos através de uma ligação do IML. Morto.
Quando o vi no caixão, o horror que senti, não somente pelo seu aspecto, mas pelo que ele representou para mim: um homem que mudou de vida, de lugar e quando foi encontrado, aparentemente estava ainda mais insatisfeito...
Magro, com os cabelos e a barba sem fazer há meses. Era um dos meus tios mais bonitos, na minha opinião.
Vocês vão me perguntar o por quê disso.
Posso não saber responder, mas a mudança que todos nós precisamos, acredito que está em nós mesmos.
A casa, o templo a ser mudado,  é onde habita o nosso eu.
Mudanças externas talvez só tragam mais incerteza, insatisfação e cansaço...
Pense nisso e leia o texto abaixo com atenção e reflita:



"Chega um tempo na vida da gente que sentimos a necessidade de mudar, seja de casa ou de nós mesmos.
Largar coisas muito enraizadas e profundas, mas que já não servem mais. Então surge a ideia de olhar casas novas, em todos os sentidos! Quem sabe algumas em ruas estreitas que precisamos percorrer, ou outras que fiquem em ladeiras bem íngremes, para desenvolver a nossa força. Ou quem sabe simplificar, resgatar o velho e criar um novo lugar!
Ou talvez procurar uma nova casa, que tenha muita água por perto, para amolecer a nossa argila, que são as nossas crenças…
Muitas vezes não é necessário trocar de casa, mas olhar com outros olhos para dentro dela. Quem sabe, olhando melhor, possamos visualizar um rio com águas transparentes, que tem a capacidade de levar embora as preocupações que não precisamos mais! Ou ainda que reflitam o nosso interior!
E se ainda pudermos ir para perto do mar, que maravilha! Quantos ensinamentos ele tem para nos dar, basta se aquietar e observar! Lugares que tenham água por perto, ajudam a amolecer a terra seca, que são iguais a nossa dureza, rigidez e incompreensão. Olhar através de arcos, resulta em enxergar aquilo que realmente precisamos ver!
Começamos a entender que a casa é a nossa morada, somos responsáveis por ela. Podemos dar  cor ou não, mas o colorido exige mais cuidado.
Observar se não estamos construindo muros muito fechados em volta da nossa casa. Muros separam, pontes ligam, aproximam. Através das pontes podemos ver o outro lado. Conhecer o outro lado muda a nossa percepção, nos transforma. Começamos a ter uma nova visão! E com a nova visão, fica mais fácil pensar na nova construção ou reforma!
Precisamos nos aproximar mais das pessoas? Por acaso nos isolamos demais? Ou precisamos nos aquietar mais? Quem sabe um lugar mais alegre? Ou precisamos caminhar silenciosamente por ruas desconhecidas?
Olhar para nossa casa requer coragem e força… É enxergar o que precisa ser mudado ou desapegar do velho! É olhar fundo. E quando o desapego acontece, ele nos leva em situações caóticas, mais valiosas!
Neste momento surge uma confusão de cores e caminhos! É a reforma. Muitas vezes surgem o frio e o escuro, mas como tudo passa, sempre vem o novo dia para clarear!
Toda reforma ou mudança traz “caos”! Mas precisamos lembrar que vale a pena, o resultado chega!
Se a angústia bate à porta é hora de abrir e atender! Ela vem avisar que alguma coisa precisa mudar!
Quem sabe uma pausa para refletir sobre tudo isso!
Olhar para o rio e perceber que ele corre sozinho e  tem seu tempo. Faz seu curso e segue livre, a cada lugar que o rio passa, ele vê novas paisagens, e nós queremos nos fixar! Permanecer!
É hora de recomeçar, mudar de casa ou reformar!
Assumir responsabilidades, ser dono delas! Com certeza não é fácil, mas vale a pena…"

-Desconheço o autor-

Um comentário:

Anônimo disse...

Oh! Minha linda e adorada Chris!Como é interessante a rede social! Recebi esse texto da Dag, minha amiga muito querida e que sabe bem a importância de se efetuar mudanças na vida.
Gostei muito da associação que vc foi capaz de fazer do texto com a experiência de perda, em sua vida. Muito bem colocado, pontuado e claramente exposto para qualquer um de nós,míseros seres humanos e mortais , sempre insatisfeitos com quem somos, onde estamos, com o que fazemos e por aí vai... Mas se a gente se decide arrumar a nossa própria casa , então as mudanças começam a nos dar prazer...Vamos fazendo pequenas reformas nos nossos sistemas de valores, pintamos com novas cores paredes e muros que fomos erguendo para nos proteger do medo de viver, sem levar em consideração a escala e que de tão altos e opacos , já não nos permitem saber o mundo lá fora. Podemos também lavar as nossas janelas da alma ( os nossos olhos),que condicionamos a ver apenas o que nos convém... enfim, pequenas e grandes transformações vão surgindo a partir da nossa decisão madura realmente MUDAR. Beijos pra você, meu amor. Teresinha Cardoso