sábado, 31 de dezembro de 2011

Rock New Year!!!


Um ano para começar bem e terminar bem tem que ter rock'n roll do começo ao fim, então amigos, rockeiros ou não, essa é a forma que eu e meus amigos colaboradores achamos para lhe desejar um feliz ano novo.
Que 2012 humilhe 2011!

Augusto César Martins, o Gutinho deseja feliz 2012 ao som de Rock Around the Clock, pra sacudir a noite toda - "Nós vamos dançar rock pelas horas hoje à noite,/Nós vamos dançar rock, rock, rock, até amanhecer,/Nós vamos dançar rock, nós vamos dançar rock pelas horas hoje à noite" :




O Elton Basílio manda para 2012 uma mensagem para sacudir também, mas de outra forma, fica a dica "e se você não quiser se sentir um imbecil/reúna as pistas e ligue os pontos/descobrirá o padrão que o está irritando
e a coisa é feia /veja o idiota andando /veja o idiota falando":



Jéssica Nery nos presenteia com um Queen, I want it al "Podem me ouvir? / Apenas me dêem o sinal / Não é muito o que eu peço, se vocês querem a verdade / Aqui está para o futuro Para os sonhos de liberdade/ Eu quero tudo, (sim, eu quero tudo) / Eu quero tudo (yeah) / Eu quero tudo e quero agora"






Clarisse com uma mensagem linda de amor dos Beatles que é a banda que tem uma mensagem para todas as ocasiões para 2012 tudo o que você precisa é de amor "Tudo o que você precisa é de amor /Tudo o que você precisa é de amor /Tudo o que você precisa é de amor, amor/Amor é tudo o que você precisa/Amor, amor, amor"




Luciana Braga deseja a todos que em no ano novo continuemos a sonhar com o Aerosmith "Dream on" - Sonhe Sonhe até que seu sonho se realize. / Cante comigo/ Cante pelos anos/ Cante pelo riso e cante pelas lágrimas,/ Cante comigo / Se for apenas por hoje/ Talvez amanhã o bom senhor a levará."



A minha amiga Joyce Renata manda sermos nós mesmos é o melhor que podemos fazer, com Audioslave - Be yourself:


O rockeiro Gabriel Santos de várias maravilhosas, mandou Back in Black do Ac/Dc, pra bater a cabeça:




Alexandre Hilário, meu amigo baixista, mandou  uma lista muito boa e eu optei por Mr. Osbourne "Perry Mason", depois ele me disse que podia trocar tudo isso por Super Tramp - Logical Song e eu resolvi colocar as duas para enriquecer esse post: 





E para fechar o post, fazendo diferente, vou postar meus desejos de rock new year para você a primeira é Foo Fighters, Best of you: " Você nasceu para resistir ou para ser abusado? Tem alguém tirando o melhor, o melhor, o melhor, o melhor de você? Tem alguém tirando o melhor, o melhor, o melhor, o melhor de você?"




E o meu desejo maior é que Deus dê muito rock'n roll em sua vida com Kiss, God gave rock'n roll to you, partilhando os créditos com Thiago Barrez que me mandou essa como sua música de Ano Novo:
 "Deus deu rock and roll para você, deu rock and roll para você/ Pôs na alma de todo mundo/ Você sabe o que você quer?/ Você não sabe certamente/ Você não se sente bem, / Você não encontra a cura E você tem menos do que você está esperando":





Aproveite bem o ano que se inicia.

I wish Happy New Year for you!!!!!

Rock New Year too!!!!


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

10 anos sem Cássia

Há exatos 10 anos, minha filha Anna era ainda um bebê de 3 meses e eu tive a terrível notícia do falecimento da Cássia Eller que no momento era minha estrela maior da música brasileira.
Simplesmente a amava.
E embalava o sono de minha pequena com Non, Je Ne Regrette Rien, em sua voz fantástica.

Acho que todos os grandes se foram jovens...
Cássia, Renato, Mamonas Assassinas... 
Cumpriram sua missão e foram dispensados.
A Cássia no maior momento de sua carreira.
Não quero falar de tristezas.
Quero homenagear, apenas.

O texto abaixo, foi escrito há dez anos.

"Quem não tem Cássia...


A reação da gente ao saber que alguém que a gente gosta morreu é sempre a pior possível, eu começo a  rir sempre de susto.
Ontem às 19:05 eu estava namorando um dos poucos cd's da Cássia que faltam pra completar minha coleção quando voltei pro trabalho e me contaram comecei a rir. 
Foi assim também com o Renato Russo.
Por que "os bons morrem jovens"?
Ou Deus não gosta de rock ou ele quer os roqueiros só pra Ele.
O que a minha filha vai ouvir quando crescer? O que eu vou ouvir daqui pra frente?
O reveillon do céu esse ano vai ser bom.Jim Morrinson, Fred Mercury,Kurt Cobain, Cazuza, Renato Russo,Marcelo Fromer e Cássia Eller.
Por que tem que ser assim?
Pra quem ama a Cássia como eu há 8 anos quem sofreu parada cardíaca fomos nós.
Adeus Cássia Sentirei Saudades... "



(Essa é a Mahgah de Viçosa. Emprestou esse vozeirão para suprir a nossa carência de  Cássia Eller)


quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Na defensiva

Esses dias ando pensando... nós humanos vivemos sempre na defensiva.
Estamos sempre armados para qualquer situação.
Prontos para atacar.
Desconfiados de tudo e todos.
Nunca acreditamos nas boas intenções dos outros.
Quando alguém nos oferece o amor, o bem, a paz nos perguntamos a troco de quê?
Sempre nos defendendo de tudo.
Alguns de nós muitas vezes, fica tanto na defensiva que começa a se tornar agressivo, antipático, azedo...
E o azedume vai enferrujando o coração, e aí as pessoas se afastarão e começarão a se defender da gente.




Conheço muita gente que de tanto se defender ou se tornou azeda ou se tornou 
amarga.



O amargor apodrece o coração.
Fico triste com essas pessoas.
Elas não conseguem ver o lado bonito da vida e não sabem agradecer pela dádiva de viver.
Pessoas amargas se afastam de Deus, do Universo...
Pessoas amargas param de comungar com os bons sentimentos...
Se eu pudesse tiraria as vendas dos olhos dessas pessoas para que elas pudessem enxergar a beleza que está em viver.
Infelizmente só damos valor quando somos privados de certas coisas...
Eu aprendi com a dor, mas aprendi mais com o amor. Isso é um fato inquestionável.
O amor é nosso maior conselheiro e amigo.
E a única força capaz de nos livrar do azedume e do amargor.
Só precisamos acreditar nele para termos um coração novo em folha.
Um coração transparente, um coração imaculado...



terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Última semana do ano

Hoje já é terça-feira da última semana do ano, e fico me perguntando:
Será que todos os seres humanos refletem sobre os feitos dos últimos 360 dias, ou só eu fico me consumindo em fazer um balanço do que foi minha vida esse ano?
Pensamos nos erros que cometemos com mais facilidade do que os acertos.
Muitos de nós culpam o ano que termina, quando na verdade, nossas atitudes é que foram responsáveis pela colheita ruim.
Quando avistamos um novo ano, avistamos junto com ele novas possibilidades de melhorar, mas antes de qualquer coisa, devemos ter consciência de que se continuarmos a ser os mesmos, nada vai melhorar.
Seja a mudança que você quer ver no mundo. Não é isso?!
O ano de 2011 para mim foi um ano de grandes mudanças.
Na verdade, foi um ano de reencontro comigo mesma. Com a minha essência perdida. 
Eu era um monte de pedaços e hoje me sinto quase inteira.
Digo quase porque nunca estamos 100% devido à nossa condição humana de eterna insatisfação.

Sempre vai nos faltar alguma coisa para completar.
Mas acredito profundamente que por mais minuciosa que seja minha análise de 2011 tenho muito mais coisas boas a somar do que ruins.
A começar pelas pessoas que conheci e as que conheci mais.
Foi um ano colorido, com vários lápis de cor para dar os tons.
E para finalizar um grande amor, que espero perpetuar pelos próximos anos.
Que no ano novo você mude.
É o que te desejo.






sábado, 24 de dezembro de 2011

Rock Christmas

Reuniões de Natal geralmente pedem uma música, afinal, trata-se de uma celebração.
Roqueira que sou, fiz um setlist das músicas para ouvir na ceia de Natal com a colaboração de alguns amigos.
A ideia desse post surgiu hoje de manhã no carro quando eu e meu marido íamos às compras de Natal e me lembrei que quando criança, nosso fim de ano era regado com muito rock'n roll.

São elas:

Changes do Black Sabbath ouvia desde pequena com meu pai em todos os poucos Natais que passamos juntos e para ilustrar isso, pai Ozzy e filha Kelly Osbourne cantam:


Outra que me lembra muito as festas lá em casa, de todo o repertório de Simon and Garfunkel que ouvíamos é Bridge over trouble water: 



Meu amigo Thiago Barrez mandou para mim Foo Fighters - Time Like this - que é uma música que tem uma importância muito grande na minha vida. Vê se você não sente a alegria te contagiar ouvindo isso:


A minha amiga e colaboradora de sempre, Clarisse Reis me deu de presente essa dos Beatles, Christmas time (is here again):


Edmar Junin, me presenteou com essa música do Train que dá vontade de dançar Shake Up Christmas Time:

A minha linda amiga Mah Araújo, me mandou Alive do Pearl Jam, porque afinal de contas, ainda estamos vivos e podemos comemorar:

E para finalizar a minha preferida de todos os Natais, Garotos Podres - Papai Noel Velho Batuta, conheci graças ao meu marido Bruno Bizzoni, é a cara do Natal: 

Papai Noel velho batuta
Rejeita os miseráveis
Eu quero matá-lo
Aquele porco capitalista

Presenteia os ricos
E cospe nos pobres
Presenteia os ricos
E cospe nos pobres

Curtam bastante nosso Rock Christmas. 
E tenham todos um Feliz Natal com muito rock'n roll!




Então é Natal... (Parte II) - Papai Consumo

A parte irritante do Natal para mim é o capitalismo selvagem que toma conta do mundo.
O consumismo e a perda de valores.
O que é mesmo comemorado no Natal?
Não vamos entrar, nas profundas páginas da História do Mundo senão ficaremos confusos.
Mas na fé católica a qual fui educada, dizem que 25 de dezembro é celebrado o nascimento de Jesus.
Mas o aniversariante parece ser Thomas Edson, tanta lâmpada, tanta luz e nenhuma, ou quase nenhuma menção ao Deus menino.
As pessoas são tomadas pela fúria do consumo e perdem totalmente a noção do correto, da educação, da civilidade...
E só pensam no tal Noel. 
De Jesus, ninguém se lembra mais...


Para ilustrar isso, deixo para vocês um cordel.
Que o menino Jesus, 
Nos traga sua luz
E esqueçamos um pouco o Papai Noel.
(com direito a rima)






E que ano que vem sejamos diferentes.
Feliz Natal!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Então é Natal... (Parte I)- O Indulto

O ano está terminando e começamos a nos perguntar como agimos no decorrer de todo ele.
Com a perspectiva de um novo ano se aproximando, renovam-se esperanças, planos, sonhos que adiamos nos últimos 365 dias e empurramos para o próximo.
Eu me pergunto somente se fui boa com as pessoas e se fui uma boa menina.
O que posso dizer é que não, não fui uma boa menina, MESMO.
Apesar de ter feito algumas coisas boas nesse ano, o saldo de coisas ruins foi maior.
Pelo menos aos olhos de todos, aprenda isso de uma vez: Só importam os seus erros, eles serão apontados para o resto da vida. O que você faz de bom, ninguém percebe. Suas qualidades, ninguém aponta insistentemente e ressalta o tempo todo.
Uma coisa que para mim não cabe é o INDULTO de Natal. 
Você tem 365 dias para se desculpar pelos erros e para ser perdoado. 
Então, porque esperar até o Natal?
Talvez a pessoa nem queira te perdoar, mas você se aproveita da comoção causada por esta data para tirar um proveito em seu favor.
Você tem todos os dias para se perdoar, para buscar o perdão do outro, para se renovar.
Não espere dezembro chegar para fazê-lo.
Cabe a você e só a você reconhecer seus erros e defeitos e perceber também as qualidades únicas que possui, porque ninguém, como disse anteriormente, vai apontar para você suas qualidades com a mesma veemência com a qual aponta seus maus atos.
No máximo vão te elogiar uma vez e ponto.
Que ao findar desse ano, saibamos reconhecer as coisas boas e principalmente as ruins que fizemos.
Para que no próximo Natal, que falta pouco, não venhamos a cometer os mesmos erros que nos anteriores e que no próximo ano cometamos erros, mas que sejam novos, porque afinal, somos humanos e como tal, propensos a errar.




sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Dona Teresinha

(Essa sou eu um pouco antes de me ingressar no caminho do saber)

Nunca escondi de ninguém que esse blog é meu xodó.
De vez em quando fico admirando as visitas, que já passam de 25.000.
Modestamente, começou de uma brincadeira com um amigo, num dia em que andei em BH e vi o ex-garoto mais bonito da escola...
Três anos completos em outubro, quanta gente lê, comenta, segue...
Gente de vários cantos do mundo, o que me deixa espantada, devo confessar.


Hoje quando fui observar as fotos dos seguidores, vi muitos rostos amigos, mas um em especial me chamou a atenção: Maria Teresinha, seguidora desde 14/12/2011.
A foto é pequena, não deu para identificar se é a minha professora "Dona Teresinha" da Sandoval.
Se parece muito com ela...
Visto isso, me bateu uma nostalgia... Esse ano, completou 25 anos que ela me ensinou os primeiros passos da escrita e acreditou no meu potencial. Olha no que deu...


Fato é que eu e um ex-colega da turma 1ª série B de 1986, Otoniel, tínhamos uma ideia de reunir os colegas que encontrássemos nesse ano para celebrarmos esse quarto de século.


Dona Teresinha foi a Inspiração para que eu seguisse a profissão que tenho hoje e que eu amasse tanto ler.
Profissão essa que me dá muitas alegrias, como no último domingo, quando fui paraninfa dos formandos do Ensino Médio, com direito a discurso e tudo mais.


Drummond, Lispector, Vinícius... Clarice Drummond. Pseudônimo que ela me deu quando me inscreveu num concurso de poesias aos 8 anos de idade.
Graças à minha querida professora conheci o melhor  livro do mundo e o meu  preferido, diga-se de passagem: O pequeno príncipe (lido pela primeira vez nesta época e várias outras vezes depois no decorrer desses anos).
Se for você, a minha Dona Teresinha, me deixe um depoimento, me passe seu e-mail, queria muito vê-la...
Muitas saudades.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Obesidade mórbida do espírito

O outro post que fiquei devendo sobre a palestra que assisti de Leila Ferreira foi sobre a Obesidade Mórbida do Espírito...
As pessoas se preocupam com o corpo, em mantê-lo belo, sarado, em dietas mil e se esquecem de cuidar do espírito.
Esquecem de exercitá-lo, fazendo com que ele ingira os piores alimentos como o mau humor, a inveja, a ignorância, a impaciência, o recalque... e por aí as porcarias vão se acumulando...
E nosso espírito se torna pesado, obeso de negatividade, nos tornando pessoas amargas, intoleráveis, pesadas para o convívio alheio.
Quando Leila falou sobre isso, falou também como uma pessoa com espírito obeso pode contaminar um ambiente inteiro.
Imagine uma sala com 10 pessoas e um mau humorado adentra... Ele sozinho, contaminará com seu espírito obeso todo o ambiente e as dez pessoas sairão de lá carregadas, com o espírito tão obeso que precisarão de muita oração para limpar tanta sujeira...
Isso é muito sério.
"Há tempos brinco com minhas amigas obcecadas por dietas sobre o perigo que corremos de emagrecer o corpo e ficar com obesidade mórbida de espírito. Corpos rijos e enxutos, construídos com disciplina mais do que espartana, circulam num mundo cheio de almas adiposas, engordadas pela autocomplacência. Com o corpo, todo o rigor é pouco, mas nos perdoamos com enorme facilidade por nossa impaciência, nossa falta de civilidade, nossa incapacidade de ouvir, nossa rispidez.

Achamos natural agir de forma desagradável com os outros porque estamos estressados. Mas nossos comportamentos vão deixando o mundo mais estressante. E não são apenas os outros que nos rodeiam que saem perdendo. O peso na alma afeta profundamente a pessoa que o carrega – ainda que não perceba. Seres que passam a vida arrastando correntes são infelizes. Almas gordas, mais que intoxicar os outros, intoxicam-se.

Os antigos egípcios tinham uma crença interessante:achavam que, na longa viagem que os mortos enfrentariam até chegar a seu destino, seriam obrigados a participar de um ritual chamado pesagem da alma. Na cerimônia, presidida pelo deus Osíris, o morto fazia sua defesa e se declarava inocente de vários pecados. Em seguida, passava por uma prova:seu coração, considerado a sede da consciência, era colocado numa balança. Se pesasse mais que uma pena de avestruz, o morto estaria condenado a uma série de castigos e poderia até ser devorado por um monstro. Almas leves, em paz com a consciência, tinham a chance de seguir seu caminho e eventualmente chegar ao paraíso.

Algumas pessoas que aparecem aqui são leves, outras ensaiam ser. Mas todas acreditam na importância de se refletir sobre a quantidade (e a qualidade) da bagagem que transportamos nessa brevíssima passagem por este planeta." (Leila Ferreira - A Arte de Ser Leve)

O pior é que a cura para a obesidade mórbida do espírito é bem simples.
Não inveje, não mal trate, tenha paciência (ela é um exercício diário e pesado), seja gentil, seja doce, faça um elogio a alguém quando sentir vontade...
Leila Ferreira resumiu a cura desse mal numa simples frase: " O segredo da felicidade é ser legal".
Isso mesmo: Ser gente boa.
As pessoas que são gente boa sempre tem amigos em volta, convites para sair, são amadas, respeitadas...
Eu sem modéstia nenhuma tenho uma vida feliz porque sou gente boa, até com quem não merece que eu seja.
Vamos pegar os limões e fazermos uma limonada bem doce!
Pessoas mal humoradas xô!
"Tem gente que vem pro mundo de caminhão e tem gente que vem pro mundo de bicicleta. Eu sou da turma da bicicleta."
"É preciso ser leve como o pássaro e não como a pluma" A pluma flutua - um voo sem plano, sem direção, sem desafios. Os pássaros riscam o ar com precisão, colocam a leveza a serviço do existir. Uma pedra pode interromper o voo, mas até que isso aconteça as asas sabem como e onde ir. Quando penso em leveza, penso na possibilidade de sermos pessoas capazes de deixar o mundo menos opaco, menos pesado, menos inerte. Pessoas que se sentem melhor com elas mesmas e são mais agradáveis, mais delicadas, mais generosas. Acima de tudo, pessoas que conseguem também fazer a viagem (cada vez mais rara) de sair delas próprias para enxergar o outro."

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Inferências

No dicionário: Inferência: S.f. Operação intelectual pela  qual se passa de uma verdade a outra, julgada tal em razão de seu liame com a primeira: a dedução é uma inferência.

Muitas coisas na última semana, me fizeram pensar em quando, na faculdade de Letras, estudei inferência em Análise do Discurso.

E você vai me perguntar: o que isso tem a ver com as relações humanas?
E eu vou lhe responder: Tem tudo ou muito a ver.
Quando pensamos no que o outro quis dizer, ou no porque de ele hoje ter tido uma atitude diferente da habitual, ficamos imaginando N motivos pelos quais isso aconteceu.
E geralmente pensamos em motivos ruins. 
Deduzimos milhares de besteiras e encaminhamos uma relação para a crise gratuitamente.

Isso não acontece somente nos relacionamentos a dois, mas nas amizades também.
Conversas fiadas são grandes contribuintes para os amigos fazerem inferências.

Querer saber o que se passa na cabeça do outro, ou seja, imaginar o que ele está pensando, pode nos levar a um sofrimento desnecessário, a julgamentos errados, a infinitas possibilidades de estragar uma boa relação.

Eu inferi que ele (a) queria terminar, só porque não me respondia as mensagens, ou porque não me ligava mais durante o dia como antes, ou porque não tinha tempo para me ver e eu achava que ele estava me dando alguma desculpa, ou quando ele atendeu aquela ligação rapidamente, ou quando ele respondeu aquela mensagem...
Ele (a) inferiu que eu tinha medo de me envolver, ou que já tinha me conquistado e não precisava mais fazer nada, ou que eu não gostasse mais dele como antes e por isso deixei que as coisas ficassem como estavam, ou que se eu saísse com as minhas amigas ia dar mole para outros caras...
Fazemos isso o tempo todo. Envenenamos relações que tinham tudo para ser bonitas, duradouras, felizes, por tentarmos adivinhar o pensamento alheio e 99% das vezes fazemos isso de forma errada.

Os últimos anos, meses, dias e semanas da minha vida eu fiz muitas inferências e elas me levaram a concluir que não devemos NUNCA fazer isso, porque infelizmente, acabamos por estragar relações que tinham tudo para dar certo e não deram pelos frutos podres de nossa imaginação.
Pense nisso.