quinta-feira, 28 de julho de 2011

Histórias de amor fadadas ao fracasso - Capítulo I - A adolescente e o cara mais velho

("Lição de Amor" filme italiano, muito bom, no qual me inspirei e me identifiquei para fazer esse post, mas é filme e nele a história dá certo...)



Era uma vez uma adolescente que se apaixonou por um homem feito.
O fascínio do aprendizado, chama atenção das meninas e os homens adoram pegar uma inexperiente para bancar o professor.
Estando bom para ambas as partes, a história pode terminar por aqui.
Porque ele ensinou e vai procurar a próxima aluna, ela aprendeu e foi praticar com outros.
Se ela se apaixona por ele, nosso post continua.
Ele tem todos todos os atributos para isso e sabe como usá-los. 
A história está fadada ao fracasso, porque, essa menina com 17 anos, não pensa em se casar, mas acredita em contos de fadas, e o homem mais maduro, necessita de cuidados maternos.
Daí vem a conversa fiada:
"Você é ótima, me sinto bem com você, quero você só pra mim, mas preciso sair com meus amigos, afinal prezo minha liberdade, blá, blá, blá..."
"Você é muito criança ainda pra casar..."
E outras balelas mais.
Mas a menina, apaixonada, se submete a todos os caprichos do cara, esperando que um dia ele reconheça nela uma esposa em potencial.
Aí, um belo dia, aparece uma mulher de 30 anos e dá nesse homem uma chave de coxa, e o conto de fadas da menina, se transforma  num filme de terror.
Ele diz: "Preciso de alguém pra cuidar de mim, e você necessita de cuidados, que eu não posso te dar."
Ele dá um belo pé na bunda da menina e se casa com a primeira chave de coxa que aparece.
Ela por sua vez desiludida por ter perdido o "homem de sua vida" ou vai se tornar uma baita galinácea ou vai se casar com o próximo que aparecer por carência e para provar para o ex que poderia ser uma ótima esposa se ele tivesse sabido esperar o momento certo.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Crônica: A Bela e o burro




Ontem depois que você foi embora confesso que fiquei triste como sempre.
Mas, pela primeira vez, triste por você. Fico me perguntando que outra mulher ouviria os maiores absurdos como você, um homem de 32 anos, planejar ir a uma matinê brega com gente sem assunto no próximo domingo e, ainda assim, não deixar de olhar pra você e ver um homem maravilhoso.
Que outra mulher te veria além da sua casca? Você não entende que eu baixei a música do “Midnight Cowboy” e umas boas do Talking Heads, Vinícius de Morais e do Smiths porque achei divertido te fazer uma massa ouvindo algumas músicas que dão vontade de viver. Uma massa que você não vai comer porque está perdendo o paladar para o que a vida tem de verdadeiro e bom. É tanta comida estragada, plastificada e sem sal, que você está perdendo o paladar para mulheres como eu. E você não sabe como vale a pena gostar de alguém e acordar na casa dessa pessoa e tomar suco de manga lendo notícias malucas no jornal como o cara que acha que é vampiro. Tudo sem vírgula mesmo e, nem por isso, desequilibrado ou antes da hora.
Você não sabe como isso é infinitamente melhor do que acordar com essa ressaca de coisas erradas e vazias. Ou sozinho e desesperado pra que algum amigo reafirme que o seu dia valerá a pena. Ou com alguma garotinha boba que vai namorar sua casca. A casca que você também odeia e usa justamente para testar as pessoas “quem gostar de mim não serve pra mim”.
E eu tenho vontade de segurar seu rosto e ordenar que você seja esperto e jamais me perca e seja feliz. E entenda que temos tudo o que duas pessoas precisam para ser feliz. A gente dá muitas risadas juntos. A gente admira o outro desde o dedinho do pé até onde cada um chegou sozinho. A gente acha que o mundo está maluco e sonha com a praia do Espelho e com sonos jamais despertados antes do meio-dia. A gente tem certeza de que nenhum perfume do mundo é melhor do que a nuca do outro no final do dia. A gente se reconheceu de longa data quando se viu pela primeira vez na vida.

E você me olha com essa carinha banal de “me espera só mais um pouquinho”. Querendo me congelar enquanto você confere pela centésima vez se não tem mesmo nenhuma mulher melhor do que eu. E sempre volta. Volta porque pode até ter uma coxa mais dura. Pode até ter uma conta bancária mais recheada. Pode até ter alguma descolada que te deixe instigado. Mas não tem nenhuma melhor do que eu. Não tem.

Porque, quando você está com medo da vida, é na minha mania de rir de tudo que você encontra forças. E, quando você está rindo de tudo, é na minha neurose que encontra um pouco de chão. E, quando precisa se sentir especial e amado, é pra mim que você liga. E, quando está longe de casa gosta de ouvir minha voz pra se sentir perto de você. E, quando pensa em alguém em algum momento de solidão, seja para chorar ou para ter algum pensamento mais safado, é em mim que você pensa. Eu sei de tudo. E eu passei os últimos anos escrevendo sobre como você era especial e como eu te amava e isso e aquilo. Mas chega disso.
Caiu finalmente a minha ficha do quanto você é, tão e somente, um cara burro. E do quanto você jamais vai encontrar uma mulher que nem eu nesses lugares deprê em que procura. E do quanto a sua felicidade sem mim deve ser pouca pra você viver reafirmando o quanto é feliz sem mim e principalmente viver reafirmando isso pra mim. Sabe o quê? Eu vou para a cama todo dia com 5 livros e uma saudade imensa de você. Ao invés de estar por aí caçando qualquer mala na rua pra te esquecer ou para me esquecer. Porque eu me banco sozinha e eu me banco com um coração. E não me sinto fraca ou boba ou perdendo meu tempo por causa disso. E eu malho todo dia igual a essas suas amiguinhas de quem você tanto gosta, mas tenho algo que certamente você não encontra nelas: assunto. Bastante assunto.
Eu não faço desfile de moda todos os segundos do meu dia porque me acho bonita sem precisar de chapinha, salto alto e peito de pomba. Eu tenho pena das mulheres que correm o tempo todo atrás de se tornarem a melhor fruta de uma feira. Pra depois serem apalpadas e terem seus bagaços cuspidos.
Também sou convidada para essas festinhas com gente “wanna be” que você adora. Mas eu já sou alguém e não preciso mais querer ser. E eu, finalmente, deixei de ter pena de mim por estar sem você e passei a ter pena de você por estar sem mim. Coitado.
por Tati Bernardi
Retirado do site Casal sem vergonha

Até que o amor nos separe



Esse post tem título de uma das mais belas composições do Rodrigo Freitas, um velho amigo.
O amor separa as pessoas.
É um fato que tenho comprovado em minha vida, mais uma vez.


Até que o amor nos separe
Até que o amor nos separe, novamente
As lembranças ferem o corpo num cansaço que persiste
Por palavras agressivas que nós não queremos mais dizer


Por que o amor separa as pessoas?
Simplesmente porque não há uma sintonia, um tempo certo onde ele seja recíproco.
Uns amam antes do tempo, uns amam demais, outros de menos, e alguns nunca amam.
O amor para nós é visto como moeda de troca.
Me ame e eu te amo de volta.
Ninguém ama simplesmente por amar.
Sempre espera um retorno, cria expectativas...
Não tem jeito.
Por mais que tentemos o tal amor Ágape, que não exige nada em troca, somos incapazes de tal feito.
Por que então, eu, mera mortal, sou obrigada a amar, sem esperar pelo retorno?
Por acaso eu sou a Madre Teresa?
Por isso, acho que o amor separa. Porque ele nunca chega na hora para as duas pessoas.
Alguém sempre sai no prejuízo.
O problema é a banalização do "Eu te amo", alguns dizem sem saber o que estão dizendo.
Não sabem o que essa frase implica quando dita a alguém...
Caio Fernando Abreu diz que significa o mesmo que dizer eu morreria por você.
Então, verifique o peso da morte e o peso do amor.
Quando postos em uma balança, o peso deles é praticamente igual.
Salvo que para o amor, há sempre uma solução, para a morte, não há.
O amor separa as pessoas...  

domingo, 24 de julho de 2011

Dissociando amor e casamento

Ontem  estava conversando com minha amiga Mércia sobre ficar sozinha e criar filhos.
Acho que o preconceito quanto às mães solteiras, está ainda muito arraigado na mentalidade da sociedade, mas pensando mais um pouco, nós mulheres somos as principais disseminadoras desse preconceito.
Por que temos que nos casar, por que não podemos ser solteiras e felizes, com ou sem filhos?
Hoje me lembrei de um pensamento horrível. "Levamos um porco inteiro para casa, por causa de meio quilo de linguiça". Horrível, mas é verdade em alguns casos.
Para que um homem?! Para te dar mais trabalho, para você lavar suas cuecas? Aguentar seu ronco noturno e seu mal humor matinal?!
Eu não entendo porque nós mulheres insistimos no sonho de casar. Falo de carteira, tem seus momentos bons, sim, mas não precisa ter um homem em casa 24 horas por dia pra saber as delícias da convivência a dois.
Na verdade, a necessidade de casar parte deles, muito mais do que de nós, porque eles necessitam de cuidados. Em outras palavras, eles sempre precisam de uma mãe de plantão.
Quando eu era adolescente, me considero muito mais inteligente do que sou hoje. Menos romântica, mais prática.
Nunca passava pela minha cabeça casar, em compensação sempre quis ser mãe.
Tem outro ditado que diz que "o ser humano nasce, cresce, fica burro e casa".
Eu não podia fugir à regra.
É legal ter alguém para amar, é legal ter alguém para compartilhar momentos, prazeres, viveres.
Tudo tem um momento certo. Que você se case, mas que não faça disso seu objetivo de vida, porque nada é como planejamos. Nunca é.
Por isso, não devemos apressar o curso das coisas.
Acredito em destino, em intervenção divina... 
Acho besteira acreditar que para ser feliz é preciso se casar, ainda mais depois de uma certa idade.
Sinceramente, eu queria ter a beleza de hoje com a cabeça dos meus 17 anos. Eu amava muito um homem, mas não passava pela minha cabeça me casar com ele. 
Confesso que em alguns momentos passou sim.
Mas a vontade também passou. Depois veio, depois passou... rss...
Homens vivem sem apegos, sabendo separar amor de sexo...
Por que nós, ao invés de nos fazermos de coitadas, e dizermos "são todos iguais" não aprendemos a ser como eles, nesse sentido?
Sem a ideia de casamento como uma necessidade de completude.
Por que não podemos dissociar amor e casamento?
Lembrei da frase do Free, "Cada um na sua, mas com alguma coisa em comum".
Vamos amar, mas morar junto... não rola. 
Vai por  mim Mércia, não precisamos nos casar com alguém porque amamos. 
Dá pra continuar amando, cada um em seu espaço.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Sexrock (Semana do Rock - Post 1)

Essa semana de 11 a 15 de julho resolvi escrever sobre rock'n roll pegando carona no Dia Mundial do Rock que é na próxima quarta.
O post de hoje contou com a colaboração dos meus amigos do Facebook a quem os créditos serão dados.
Resolvi elecá-las aleatoreamente. Sem fazer um ranking porque acho isso, ser algo muito pessoal. 
Então, aproveite as sugestões e crie sua própria coletânea de SEXROCK. Enjoy!


Vou começar com a contribuição da Sheila Julião que sugeriu uma música do System of down, Aerials:


   
A Eleni Sousa sugeriu Deep Purple, Love coquers all, clipe muito inspirador, aliás:




Pegando o gancho do Deep Purple o ritmo de Child in time também pode ser bem excitante, mas se considerar a letra, pode surtir efeito contrário, a música tem 10:20 pra você usar sua criatividade:




O Lucas Daniel Dias sugeriu América, Horse with no name e ainda deu a dica de como fazer " na hora q fica fazendo "na na na na" no meio do refrão é muito dez, pra preliminares sem duvida é a mais foda de todas, e pra hora h ela tbm é animadora" :




O Thiago Fortes  nos presenteou com Red Hot Chiili Peppers, Scar tissue:



A sugestão da minha irmã amada, Sámatha  foi Always do Bon Jovi, e eu assino embaixo dessa: 



O Dannier Copertine sugeriu qualquer uma do Paramore, então eu selecionei essa porque acho linda, e merece um sexo especial:




E as minhas sugestões para o SEXROCK ficam com Led Zeppelin,  Whole Lotta Love (Um bocado de amor)  e um tema de um clássico do cinema com Joe  Cocker, You can leave your hat on (você pode deixar o seu chapéu... e o resto também pelo chão da casa):










Gostou do nosso podcast? Não gostou? 
Não tem problema! Você pode criar o seu próprio SEXROCK list, basta usar a sua imaginação e conversar com alguns amigos.
Aos que gostaram, apreciem sem moderação e aos amigos queridos que contribuíram, meu muito obrigada pelas dicas.


sexta-feira, 8 de julho de 2011

Bom filho, bom marido e vice-versa

A todos aqueles que pensam em casar, aqui vai uma dica muito interessante, que minha mãe me disse, e como eu sempre gostei de contrariá-la, nunca dei muita importância.
É um ditado que diz: "Bom filho, bom marido".
Isso serve para homens e para mulheres.
Quando você engata numa relação e conhece a família do seu namorado, ou namorada, observe como essa pessoa trata seus pais.
Principalmente como essa pessoa trata a sua mãe.
Eu por exemplo, sempre quis bancar a mãe da minha mãe, rss... E hoje assumo o papel de mãe do mundo inteiro e não me canso de me ferrar.
Vou falar sobre homens, porque sou mulher, mas como disse anteriormente, serve para ambos os casos...
Enfim, um homem que tem carinho e cuidado com a sua mãe, vai ter o mesmo carinho e cuidado com você. O homem que é mal educado com a mãe, vai ser mal educado ao quadrado com você.
Se ele não valoriza o esforço da mãe, ele NUNCA vai valorizar o seu. Ainda mais se você, como eu, não leva muito jeito para cuidados domésticos, e faz as coisas conforme suas possibilidades.
Ok, eu admito: Não sei lavar roupa na mão, não sei passar roupa direito, algumas vezes tentei engomar uns vestidos, sem sucesso.Não sou a mais organizada das mortais, mas uma vez que pego pra fazer, só paro quando vejo um trabalho no fim e não admito que ninguém desfaça. Viro o bicho!
Sou boa apenas no que diz respeito a limpeza. Isso devo ao signo de virgem, a paranóia por limpeza.
Tenho mais produtos de limpeza e higiene do que comida em casa. É sério.
Retomando, se ele grita com a mãe, vai querer gritar com você mais ainda. E por aí vai...
Portanto, observe enquanto você namora, como essa pessoa se comporta em família, se tiver sobrinhos, se já tiver filhos de outro relacionamento, observe com atenção antes de levar pra casa.  Isso vai contar muito para a vida que vocês vão ter depois. Pode ter certeza.
E ouça o sábio conselho de sua mãe ou avó: "Bom filho, bom marido".
Se ele não valoriza as pequenas coisas agora, ele não vai valorizar as grandes coisas depois.
Lembrando que isso serve para homens e para mulheres e que eu apenas escrevi falando especificamente de homens, porque sou mulher e faz todo o sentido.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Por que os homens amam as mulheres poderosas?


O título do post se deve ao fato de uma leitura muito interessante, e diga-se de passagem, frustrante que fiz essa semana Por que os homens amam as mulheres poderosas?  de Sherry Argov.
O livro fala do que é uma mulher poderosa, e como se tornar uma.
Descobri que de poderosa não tenho nada.
Que sou o que chamam de boazinha.
E isso não é só nos relacionamentos com homens. 
É na vida em geral.TODO MUNDO se vê no direito de abusar das pessoas boazinhas.
O ser má não combina comigo.
O má a que me refiro não é maltratar, mas saber ser indiferente às pessoas que merecem ser tratadas dessa forma por mim. Se é que você me entende.
Existem pessoas que não te respeitam depois que você passa a fazer concessões.
E em todo relacionamento que existe entre seres humanos, um sempre faz mais concessões que o outro e depois de muito tempo abrindo mão de seus desejos, vêm reinvidicá-los no grito.
O que de nada adianta. 
No máximo, nos tacham como chatos e não nos dão ouvidos da mesma forma.
A mulher poderosa é admirada porque ela faz o que tem vontade, é economicamente independente, e sabe o momento certo fazer concessões, sem que essas a prejudiquem da forma que seja.
A boazinha coloca-se sempre em segundo plano. Ela aprende a contar a partir do número 2. Ela se esquece de que ela e somente ela é a pessoa mais importante e em seguida, vêm todas as outras.
(Desde pequenas somos criadas para sermos princesas indefesas e condescendentes com tudo, ninguém e ensina a ser a Mulher-Maravilha)


Eu não sou totalmente boazinha, mas estou tendendo mais para isto ainda.
Faço o que tenho vontade, desde que não prejudique a mim e a terceiros.
Sou economicamente independente.
Mas não ainda não aprendi a parar de fazer concessões que me prejudicam.
Estou num processo duro de aprendizado.
Recomendo a leitura a todas as mulheres, mesmo as poderosas que conheço, para que talvez se aperfeiçoem, para as Mulheres boazinhas  (Martha Medeiros) principalmente, para que aprendam a se amar em primeiro lugar, e quem mais quiser aprender a lidar como o ser humano, principalmente os do sexo masculino.
Não se esqueça: Seja a mudança que você quer ver.
Alguns sites que leio com certa frequência e que recomendo como guias de sobrevivência para mulheres poderosas e boazinhas:
Manual do Cafajeste
De repente trintei