domingo, 15 de maio de 2011

Pastores e Cordeiros

(O objetivo dessa imagem é chocar você que vai ler esse texto, para que acorde se é que ainda não acordou.)



Ontem fui à missa e como sempre a liturgia sensacional dos domingos pascais.
O padre de nossa catequese evangeliza maravilhosamente e é extremamente jovem na função e na vida.
Não que eu ache que apenas a idade traz a experiência, mas me surpreende as palavras de sabedoria que emanam desse pastor de ovelhas que escolheu uma carreira tão bela e tão difícil.
Enfim, o que entendi da homilia de ontem foi que todos somos pastores e ovelhas ao mesmo tempo e a pergunta que fez para os presentes foi: "Será que estamos sendo bons pastores?"
No mundo em que vivemos atualmente é cada um por si e Deus por todos, literalmente.
Acho que esquecemo-nos do maior mandamento que é "Amar ao próximo como a ti mesmo".
Se olhássemos para o lado certamente veríamos do que necessita o nosso irmão ou irmã, mas como nosso umbigo toma conta de todo o nosso campo de visão, certamente, não estamos tendo tempo para isso.
E em nossa casa? Estamos sendo bons pastores dentro de nossos lares? Estamos ensinando nossos filhos a praticar o bem? Estamos dizendo os nãos e os sins necessários? Estámos sendo excessivamente benevolentes e assumindo nossa "filosofia do coitadismo"?
Fiquei muito reflexiva depois. 
Mas saí com a consciência tranquila porque por muitas vezes me perguntei se não estou sendo muito rigorosa com as pessoas por cobrar muito delas, inclusive dos meus filhos. Por dizer muitos nãos a eles.
Só que essa foi a forma com que eu cresci. Meus pais me deram vários nãos. A vida me deu vários nãos. 
Achei que isso me fizesse um pouco dura, mas me fez forte.
Tudo o que fazemos na vida, é questão de ocasião.
Dia desses, vi um pensamento de Kardec que diz: "Fora da caridade, não há salvação."
Talvez essa seja a ocasião de olharmos para o lado e vermos quem está ali necessitado de nossa atenção, de nosso cuidado, de nosso amor fraterno.
E talvez as pessoas precisem de um pouco de amor, e Jesus nos ensinou que este é o maior de todos os sentimentos.
Esqueçamos nossa individualidade, só por um momento. 
Mesmo sabendo de nossas carências e de que também somos cordeiros e necessitamos de cuidados, Jesus sempre nos pega no colo.




E não tenha vergonha de buscá-lo somente na hora do sofrimento, porque é nesse momento que precisamos ser acolhidos e Ele sabe de todas as aflições do nosso coração.
O mundo não sou eu e meu umbigo, nem você e o seu.
Olhe suas atitudes e reflita se você está sendo um bom pastor.
Se está cuidando e amando seu irmão.
Esse exercício começa dentro de nossos lares, com os de nosso sangue.
Senão é demagogia, maltratar quem está junto de você constantemente e cuidar do que está fora.
O mundo melhor que você sonha, parte de você e de suas atitudes.
Pense nisso.
E como diriz John Lennon: "And the world will be as one".




Nenhum comentário: