quarta-feira, 25 de maio de 2011

Eu já sabia: Vampiros Existem

(Quem dera se todos os vampiros fossem como ele)

Há pouco tempo eu falava com uma pessoa amiga sobre a existência de vampiros.
Eles estão por toda parte.
Como sou super fã da Martha Medeiros hoje li num Blog que sigo que é  muito bom, diga-se de passagem  De repente trintei sobre vampiros e é exatamente assim que eu penso: 

(por Martha Medeiros)


"Eu não acredito em gnomos ou duendes, mas vampiros existem. Fique ligado, eles podem estar numa sala de bate-papo virtual, no balcão de um bar, no estacionamento de um shopping. Vampiros e vampiras aproximam-se com uma conversa fiada, pedem seu telefone, ligam no outro dia, convidam para um cinema. Quando você menos espera, está entregando a eles seu rico pescocinho e mais. Este "mais" você vai acabar descobrindo o que é com o tempo.

Vampiros tratam você muito bem, têm muita cultura, presença de espírito e conhecimento da vida. Você fica certo que conheceu uma pessoa especial. Custa a se dar conta de que eles são vampiros, parecem gente. Até que começam a sugar você. Sugam todinho o seu amor, sugam sua confiança, sugam sua tolerância, sugam sua fé, sugam seu tempo, sugam suas ilusões. Vampiros deixam você murchinha, chupam até a última gota. Um belo dia você descobre que nunca recebeu nada em troca, que amou pelos dois, que foi sempre um ombro amigo, que sempre esteve à disposição, e sofreu tão solitariamente que hoje se encontra aí, mais carniça do que carne.

Esta é uma historinha de terror que se repete ano após ano, por séculos. Relações vampirescas: o morcegão surge com uma carinha de fome e cansaço, como se não tivesse dormido a noite toda, e você se oferece para uma conversa, um abraço, uma força. Aí ele se revitaliza e bate as asinhas. Acontece em São Paulo, Manaus, Recife, Florianópolis, em todo lugar, não só na Transilvânia. E ocorre também entre amigos, entre colegas de trabalho, entre familiares, não só nas relações de amor.

Doe sangue para hospitais. Dê seu sangue por um projeto de vida, por um sonho. Mas não doe para aqueles que sempre, sempre, sempre vão lhe pedir mais e lhe retribuir jamais."

Compartilhando Belezas


Dream Rangers Movidos por um sonho


Pálido Ponto Azul - Para que nunca esqueçamos de nossa pequenez perante o Universo.


Esse dois vídeos recebi de amigos muito especiais.
O primeiro foi da Sámatha para me lembrar que sou movida por sonhos.
O segundo foi do Lucas Paulista , que me fez lembrar do quanto sermos humildes é importante.
E por fim, duas fotos que recebi de minha amiga Alessandra, que me fez lembrar que " O essencial é invisível aos olhos" (Saint-Exupéry) e que nunca devemos contrariar o óbvio.
Seguem as fotos e abaixo a mensagem do e-mail que ela me enviou.

















Existem momentos em nossa vida que por mais que queiramos não conseguimos enxergar o óbvio. O O Semeador de Estrelas é uma estátua localizada em Kaunas, Lituânia.
Durante o dia passa despercebida. Mas quando a noite chega, a estátua justifica seu nome.
Que possamos  sempre ver além daquilo que está diante de nossos olhos, hoje e sempre.

Chame do que quiser (Call it what you want) - Eu chamo de Química


Hoje vou falar de uma coisa que não é amor, nem paixão e que eu e muitas pessoas costumamos chamar de química.
Não a química que você estuda a partir do Ensino Médio.
Falo da química entre as pessoas.
Mas você pode dar o nome que quiser. 



Dela pode surgir grandes sentimentos, como os citados anteriormente e também uma grande amizade, ou simplesmente um rápido envolvimento com alguém que você descobre ser somente questão de "pele". (sim, contato físico, pele com pele, beijo na boca, sexo e ponto final)
Quem nunca sentiu ao chegar perto de alguém seus instintos aguçarem e não teve vontade de pular na jugular desse alguém tal qual um vampiro sedento pelo sangue do outro?



E dali resolveram tirar a diferença, ver qual era e depois ficou por isso mesmo? 
Ou ainda quem ao conhecer alguém não pensou " Meu anjo da guarda bateu com essa pessoa".
E dali surgiu a maior amizade de sua vida... 
Isso é a Química.
Somos feitos de uma massa que sente. Que tem instintos como os animais. Que tem desejos estranhos.
Deus nos fez dessa forma para assim conhecermos o amor, a paixão, a amizade e o sexo. Além de outros sentimentos que não valem a pena ser citados porque não são bons sentimentos.
Pensemos então que essa maravilhosa Química faz com que as pessoas nos amem ou simplesmente não vão com a nossa cara.
Afinal, não somos cem por cento e ninguém é obrigado a gostar de nós.
Só não podemos nos abater e deixar de viver por isso.
Então, viva a Química, deixe fluir seus sentimentos, seus instintos, se misture com o mundo, afinal, somos matéria assim como todas as outras coisas que convivem nesse imenso universo que nos rodeia.
Carpe Diem!


terça-feira, 24 de maio de 2011

Pelo amor ou pela dor, só assim aprendemos


Esse fim de semana conversei com minha mãe. Acho que por sermos tão parecidas, só ela me entende, apesar de discordar da maioria das coisas que digo. Mas ela me entende.
Na verdade, acho que todas as mães do mundo são do contra, porque tem medo de que seu filho sofra.
Minha mãe só quer que eu seja feliz e eu a entendo.
Retomando os assuntos do fim de semana, estávamos lembrando o quão doloroso foram os nossos aprendizados.
Ela teve que aprender a ser mãe e pai quando tinha a minha idade.
E somos muito gratos por nossa conduta, todos trilhamos o caminho do bem, graças a ela.
A duras penas é claro. Mas conseguimos juntos. Pelo amor e pela dor também.
Existem duas formas de aprender as grandes lições da vida.
Uma delas é através do amor. 
Peguemos como exemplo Jesus que nos ensinou que o maior de todos os sentimentos é o amor, e que ensinou a todos através de seu amor incondicional.
Aqueles que se recusaram a ouvir seus ensinamentos, penaram mas também aprenderam, através da dor.
Na nossa casa, nunca tivemos uma vida fácil. Passamos por várias dificuldades e privações. Mas não morremos.
Hoje valorizo muito cada coisinha que consigo. Porque sei o quanto é raro suar a testa para ter o que se quer.
Quando as coisas vêm para nós de maneira muito fácil, não sabemos dar o devido valor.
Aí quando as perdemos é que percebemos o quanto elas nos eram preciosas.
Isso acontece com as pessoas que perdemos também.
Não sabemos valorizar enquanto elas estão ali nos ensinando através do amor, aí um dia, elas se cansam e nos deixam.
Então percebemos o quanto elas eram valiosas.
Infelizmente, algumas pessoas só aprendem na dor. E não adianta tentar adiar o sofrimento delas porque um dia ele chegará.
Se não for através de nossas mãos, será através de um mal de saúde, ou qualquer outra coisa que partiu das próprias mãos de quem  escolheu para si o sofrimento como aprendizado.
Tudo o que obtemos é resultado de nossas escolhas.
O aprendizado e  as experiências também são adquiridos através de nossas escolhas.
Se escolhemos o amor, aprenderemos de uma maneira doce, a compreender o mundo e nossas imperfeições para assim nos aprimorarmos.
Mas se escolhermos a dor, então, que assumamos e encaremos a fase dolorosa como um aprendizado pensando que de tudo na vida tiramos proveito.

"A vida requer cuidado. Os amores também. Flores e espinhos são belezas que se dão juntas. Não queira uma só, elas não sabem viver sozinhas... Quem quiser levar a rosa para sua vida, terá de saber que com elas vão inumeros espinhos. Não se preocupe a beleza da rosa vale o incômodo dos espinhos..." (Fábio de Melo)

terça-feira, 17 de maio de 2011

O vôo da Borboleta



Ultimamente, tenho ouvido e lido muita coisa sobre finalizações.
Engraçado, muita coincidência, ainda mais para uma pessoa que tem dificuldade para concluir coisas, como eu.
Quando comecei a fazer terapia, além de querer fazer as pazes comigo, queria conseguir mudar isso em mim. Essa incapacidade em dar cabo no que é preciso.
Eu achava que não conseguia terminar nada.
Hoje eu vejo que simplesmente, termino o que é humanamente possível e que vale a pena, quando tenho condições fazer e com perfeição.
O perfeccionismo é outro dos meus defeitos.
Não adianta fazer várias coisas e não concluir. 
Faço somente uma, me concentro nela e concluo.
Assim não perco o foco.
As pessoas com quem tenho conversado me dizem que tudo tem princípio meio e fim.
Minha psicóloga diz que muitas coisas foram concluídas, e que agora outras se iniciam e devem ser concluídas também. 
Uma de cada vez.
O trabalho com ela me leva a refletir sobre isso.
Não adianta eu querer abraçar o mundo, se meus braços são tão pequenos...
É importante percebermos isso, assim não usamos nossas forças em causas perdidas.
Posso até parecer meio indiferente em algumas questões, mas simplesmente, parei de empenhar minha energia em causas e em pessoas que não mereçam atenção, pelo menos no momento.
Meio que, guardei numa gaveta, e quando for por ordem na minha casa, vou arrumar o que der e jogar fora o que não me serve mais.
Toda mudança causa dor. 
Tento então pensar no ciclo das borboletas e agir como se fosse uma.
No momento me sinto feia, cheia de mal humor, melancolia, sentimentos ruins, mesmo.
Preciso me fechar, me reorganizar, me refazer, me reinventar...





Para quando eu sair do casulo eu possa me sentir linda, brilhante e pronta para grandes vôos.
Livre.


domingo, 15 de maio de 2011

Pastores e Cordeiros

(O objetivo dessa imagem é chocar você que vai ler esse texto, para que acorde se é que ainda não acordou.)



Ontem fui à missa e como sempre a liturgia sensacional dos domingos pascais.
O padre de nossa catequese evangeliza maravilhosamente e é extremamente jovem na função e na vida.
Não que eu ache que apenas a idade traz a experiência, mas me surpreende as palavras de sabedoria que emanam desse pastor de ovelhas que escolheu uma carreira tão bela e tão difícil.
Enfim, o que entendi da homilia de ontem foi que todos somos pastores e ovelhas ao mesmo tempo e a pergunta que fez para os presentes foi: "Será que estamos sendo bons pastores?"
No mundo em que vivemos atualmente é cada um por si e Deus por todos, literalmente.
Acho que esquecemo-nos do maior mandamento que é "Amar ao próximo como a ti mesmo".
Se olhássemos para o lado certamente veríamos do que necessita o nosso irmão ou irmã, mas como nosso umbigo toma conta de todo o nosso campo de visão, certamente, não estamos tendo tempo para isso.
E em nossa casa? Estamos sendo bons pastores dentro de nossos lares? Estamos ensinando nossos filhos a praticar o bem? Estamos dizendo os nãos e os sins necessários? Estámos sendo excessivamente benevolentes e assumindo nossa "filosofia do coitadismo"?
Fiquei muito reflexiva depois. 
Mas saí com a consciência tranquila porque por muitas vezes me perguntei se não estou sendo muito rigorosa com as pessoas por cobrar muito delas, inclusive dos meus filhos. Por dizer muitos nãos a eles.
Só que essa foi a forma com que eu cresci. Meus pais me deram vários nãos. A vida me deu vários nãos. 
Achei que isso me fizesse um pouco dura, mas me fez forte.
Tudo o que fazemos na vida, é questão de ocasião.
Dia desses, vi um pensamento de Kardec que diz: "Fora da caridade, não há salvação."
Talvez essa seja a ocasião de olharmos para o lado e vermos quem está ali necessitado de nossa atenção, de nosso cuidado, de nosso amor fraterno.
E talvez as pessoas precisem de um pouco de amor, e Jesus nos ensinou que este é o maior de todos os sentimentos.
Esqueçamos nossa individualidade, só por um momento. 
Mesmo sabendo de nossas carências e de que também somos cordeiros e necessitamos de cuidados, Jesus sempre nos pega no colo.




E não tenha vergonha de buscá-lo somente na hora do sofrimento, porque é nesse momento que precisamos ser acolhidos e Ele sabe de todas as aflições do nosso coração.
O mundo não sou eu e meu umbigo, nem você e o seu.
Olhe suas atitudes e reflita se você está sendo um bom pastor.
Se está cuidando e amando seu irmão.
Esse exercício começa dentro de nossos lares, com os de nosso sangue.
Senão é demagogia, maltratar quem está junto de você constantemente e cuidar do que está fora.
O mundo melhor que você sonha, parte de você e de suas atitudes.
Pense nisso.
E como diriz John Lennon: "And the world will be as one".




terça-feira, 10 de maio de 2011

O mundo não é um açougue

( Traduzindo: não é aceitável tratar uma mulher como um pedaço de carne)

Um dia desses fazendo minha caminhada habitual, estava na pista tranquila, respirando o ar fétido dessa cidade onde moro, e enquanto ia devaneando em meus pensamentos loucos, eis que em passa um carro, o homem reduz e grita: " Êeeeeeeeeeeh lôra, tá ruim não, hein.!" A vontade que eu tive foi de levantar o meu dedo médio e mostrar, mas o desprezo é sempre o melhor remédio nesses casos.
Eu queria saber quem foi que disse para os homens que as mulheres gostam desse tipo de assédio...
Não somos pedaços de carne.
Não somos bichos, nem frutas, nem nada que esteja exposto e à venda.
Apesar de muitas mulheres pensarem o contrário, a grande maioria gosta de sutilezas.
É constrangedor andar pela rua e ouvir as maiores blasfêmias saídas da boca desses ogros que acham que temos obrigação de aturar isso.
Nós apreciamos os homens finos, que são agradáveis, com movimentos sutis, como um sorriso, um olhar de raio X, ou um 43.
Não gostamos de berros, nem de quando passamos do lado de um jacu que sussurra um "Gostosa" quando você passa ao lado dele, achando que está te fazendo um favor...
Tenha dó!!!!
Será que esses imbecis nunca vão aprender que o mundo não é um açougue?

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Para uma grande mulher, ou uma multimulher


Recebi essa mensagem por e-mail de uma amiga de muitos anos, a Kátia. 
Fiquei um pouco triste ao ler, simplesmente por me fazer enxergar que na verdade, não achei o grande homem tendo em vista que me fizeram chorar sempre.
Na verdade acredito que ele nem exista. 
Por isso, você que é uma GRANDE MULHER, como eu, se não achou esse grande homem, e está solteira, ou sozinha, talvez você se baste.
E não precise de ninguém para lhe fazer chorar que não seja de felicidade.
"Um Grande Homem
Nós homens nos caracterizamos por ser o sexo forte, embora muitas vezes caiamos por debilidade.
Um dia, minha irmã chorava em sua casa... Com muita saudade, observei que meu pai chegou perto dela e perguntou o motivo de sua tristeza.

Escutei-os conversando por horas, mas houve uma frase tão especial que meu pai disse naquela tarde, que até o dia de hoje ainda me recordo a cada manhã e que me enche de força.

Meu pai acariciou o rosto dela e disse: “Minha filha, apaixone-se por Um Grande Homem e nunca mais voltará a chorar".

Perguntei-me tantas vezes, qual era a fórmula exata para chegar a ser esse grande homem e não deixar-me vencer pelas coisas pequenas...

Com o passar dos anos, descobri que se tão somente todos nós homens lutássemos por ser grandes de espírito, grandes de alma e grandes de coração, O mundo seria completamente diferente!

Aprendi que um Grande Homem... Não é aquele que compra tudo o que deseja, porque muitos de nós compramos com presentes a afeição e o respeito daqueles que nos cercam.

Meu pai lhe dizia:
"Não se apaixone por um homem que só fale de si mesmo, de seus problemas, sem preocupar-se com você... Enamore-se de um homem que se interesse por você, que conheça suas forças, suas ilusões, suas tristezas e que a ajude a superá-las.

Não creia nas palavras de um homem quando seus atos dizem o oposto.

Afaste de sua vida um homem que não constrói com você um mundo melhor. . Ele jamais sairá do seu lado, pois você é a sua fonte de energia...

Foge de um homem enfermo espiritual e emocionalmente, é como um câncer matará tudo o que há em você (emocional, mental, física, social e economicamente)

"Não dê atenção a um homem que não seja capaz de expressar seus sentimentos, que não queira lhe dar amor.

Não se agarre a um homem que não seja capaz de reconhecer sua beleza interior e exterior e suas qualidades morais.
Não deixe entrar em sua vida um homem a quem tenha que adivinhar o que quer, porque não é capaz de se expressar abertamente.

Não se enamore de um homem que ao conhecê-lo, sua vida tenha se transformado em um problema a resolver e não em algo para desfrutar”.

Não se apaixone por um homem que demonstre frieza, insensibilidade, falta de atenção com você, corra léguas dele.

Não creia em um homem que tenha carências afetivas de infância e que trata de preenchê-las com a infidelidade, culpando-a, quando o problema não está em você, e sim nele, porque não sabe o que quer da vida, nem quais são suas prioridades.

Por que querer um homem que a abandonará se você não for como ele pretendia, ou se já não é mais útil?

Por que querer um homem que a trocará por um cabelo ou uma cor de pele diferente, ou por uns olhos claros, ou por um corpo mais esbelto?

Por que querer um homem que não saiba admirar a beleza que há em você, a verdadeira beleza… a do coração?

Quantas vezes me deixei levar pela superficialidade das coisas, deixando de lado aqueles que realmente me ofereciam sua sinceridade e integridade e dando mais importância a quem não valorizava meu esforço?

Custou-me muito compreender que GRANDE HOMEM não é aquele que chega no topo, nem o que tem mais dinheiro, casa, automóvel, nem quem vive rodeado de mulheres, nem muito menos o mais bonito.

Um grande homem é aquele ser humano transparente, que não se refugia atrás de cortinas de fumaça, é o que abre seu CORAÇÃO sem rejeitar a realidade, é quem admira uma mulher por seus alicerces morais e grandeza interior.

Um grande homem é o que cai e tem suficiente força para levantar-se e seguir lutando...

Hoje minha irmã está casada e feliz, e esse Grande Homem com quem se casou, não era nem o mais popular, nem o mais solicitado pelas mulheres, nem o mais rico ou o mais bonito.

Esse Grande Homem é simplesmente aquele que nunca a fez chorar… É QUEM NO LUGAR DE LÁGRIMAS LHE ROUBOU SORRISOS…

Sorrisos por tudo que viveram e conquistaram juntos, pelos triunfos alcançados, por suas lindas recordações e por aquelas tristes lembranças que souberam superar, por cada alegria que repartem e pelos 3 filhos que preenchem suas vidas.

Esse Grande Homem ama tanto a minha irmã que daria o que fosse por ela sem pedir nada em troca...

Esse Grande Homem a quer pelo que ela é, por seu coração e pelo que são quando estão juntos."

terça-feira, 3 de maio de 2011

Casamento real

Sabe quando a gente percebe que está ficando velho? Quando assiste ao casamento do príncipe Willian e se lembra que viu o casamento da mãe dele. Quando ouve no rádio, 20 anos da morte de Gonzaguinha, e se lembra do cortejo do velório. É... tô ficando velha...
Mas não poderia deixar de manifestar minha humilde opinião sobre aquilo que foi chamado de "O casamento do Século".
Demorei alguns dias para ver e achei muito cute.
O olhar do noivo para a noiva que vem se aproximando, é sempre lindo.
Apesar de acha o príncipe horrível. Príncipe é sempre príncipe. E toda mulher sonha com um.
Não com um título de realeza, mas com um homem que seja educado para saber como tratar uma mulher como uma verdadeira princesa.
Porque no fundo é o que todas querem.
Mimos, carinhos e olhares apaixonados.
Demonstrações públicas de afeto.
Não necessariamente para bilhões de pessoas, mas é um sonho romântico que todas temos e por isso ficamos comovidas por qualquer bobagem.
Até um vestido de noiva, álbum de casamento, tudo nos comove.
E convenhamos, o príncipe Willian sabia disso, né?