segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O amor não acaba, apenas se modifica, ou como diria Martha Medeiros, nós é que mudamos.




"O amor não acaba. O amor apenas sai do centro das nossas atenções. O tempo desenvolve nossas defesas, nos oferece outras possibilidades e a gente avança porque é da natureza humana avançar. Não é o sentimento que se esgota, somos nós que ficamos esgotados de sofrer, ou esgotados de esperar, ou esgotados da mesmice. Paixão termina, amor não. Amor é aquilo que a gente deixa ocupar todos os nossos espaços, enquanto for bem-vindo, e que transferimos para o quartinho dos fundos quando não funciona mais...(Martha Medeiros)"


Uma relação de amor que perdura  por anos, com o passar do tempo, parece que vai deixando de ter sentido.
É como se de um lado o amor amadurecesse e do outro ele continuasse "verde".
Com isso, vão morrendo os desejos de uma das partes ou de ambas... vai saber...
E o amor, vai tomando forma e rumo diferentes do que esperávamos.
Sempre que nos apaixonamos por alguém, achamos que vai durar pra sempre. Então, dura a eternidade de dez, doze anos...
Estava lendo um texto da Martha Medeiros que  fala que o "amor não acaba, nós é que mudamos", o que faz é uma grande verdade, uma vez que com o tempo torna-se convivência, amizade, fraternidade, companheirismo, comodismo... e mais N coisas que podemos denominar.
O amor eterno é utopia, quem é que não sabe disso?!
Já dizia Vinícius, "que não seja imortal, posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure".
Sejamos felizes enquanto ele durar.
Se se transformou, não façamos disso um cavalo de batalhas, saibamos aproveitar o amor e suas N formas de mudança.
E demos espaço aos novos amores que surgem entre as mesmas pessoas, ou para com outras pessoas.
Não deixemos que o amor se estatize assim como nós algumas vezes nos estatizamos.

Nenhum comentário: