sábado, 30 de outubro de 2010

Falar de amor é clichê (?)



Apesar de praticamente tudo o que eu escrevo estar diretamente relacionado ao AMOR, hoje, resolvi postar o que na verdade eu penso sobre esse sentimento tão nobre.
Resolvi falar do amor atribuindo a ele alguns adjetivos que acredito que só quem ama realmente um outro ser é capaz de me compreender.
Ah! E também resolvi falar sobre os tipos diferentes de amor, que mesmo os que não entendem o verdadeiro sentido de amar, sabem diferir.
Nobre: O amor é nobre porque abdica do egoísmo e da possessividade em prol da felicidade do outro.
Livre: O amor liberta, abre o seu coração e te faz se sentir leve. (não entenda liberdade por libertinagem)
Benigno: Todo aquele que ama é bom, afetuoso e complacente com os que estão à sua volta.
Puro: O amor é puro, pois, independe de qualquer complemento físico ou psicológico.
Depois desses adjetivos, algumas considerações:
Quem ama não é invejoso, nem egoísta, nem possessivo, nem mentiroso, nem lascivo, nem ciumento.
Quem ama quer o bem do outro, a toda circunstância do seu lado ou não.
Quem ama não faz do outro seu prisioneiro, seu objeto, seu escravo.
Quem acredita que o amor é isso não tem uma relação de troca, tem uma relação de poder.
Um manda e o outro obedece. Quase um contrato de prestação de serviços.
O Apóstolo Paulo escreveu aos Coríntios "O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece."(1Cor 13:4)
Deus, resumiu seus dez mandamentos em dois e ambos falam sobre o amor, daí, vê-se a importância do sentimento.
E algumas pessoas acham que podem mandar nele...



Um comentário:

Magno Sam disse...

Viver é aprender a cada dia o significado da vida. Que bom que vc não fechou os olhos e não se trancou dentro de si mesma. Passos são dados um de cada vez e assim se vai andando...