terça-feira, 3 de agosto de 2010

Nos fazendo


Um belo dia, nos descobrimos realmente adultos.
Não podemos mais ser tão impulsivos, nem termos tantos amigos como gostaríamos.
Nesse dia descobrimos que toda aquela “galera” de amigos da adolescência não passaram de meros conhecidos e que os amigos de verdade, se contados, não enchem uma das mãos.
Percebemos que muito tempo se passou, mas que ainda nos resta muito tempo para transformar.
Descobrimos que existem pessoas que precisamos perdoar.
Descobrimos o que é realmente ser belo, quando as primeiras marcas surgem em nosso rosto e quando aquele pneuzinho já não nos incomoda tanto...
Percebemos também que “grande amor da vida” só existiu um.
Se ele está junto de nós, tudo certo, mas se ele passou, acabou, e infelizmente não voltará.
Mesmo ainda tendo muitos sonhos, de sermos felizes, de sermos bem sucedidos, assim como tínhamos há dez anos nesse dia descobrimos que os sonhos estão mais próximos de nossas mãos agora.
Infelizmente nem todas as pessoas descobrem-se adultas, seja por pararem no tempo, seja por pularem algumas etapas...
Somos saudosistas sim, mas não menos felizes quando crescemos, pois aprendemos a dar valor ao que conquistamos e ao que ainda vamos conquistar.
Me considero feliz em ter chegado aqui, sem pular etapas, tendo vivido um dia de cada vez, sabendo esperar pelos meus sonhos, sem querer voltar no tempo, sabendo que devo buscar sempre o norte, porque é lá que habitam os sonhos.


Esse ator, Denner Pacheco, morreu em 6/03/2010 de câncer aos 28


PS: Esse texto se chamava Aos vinte e oito, escrevi, obviamente quando fiz essa idade, mas sempre que leio, vejo que ainda tenho muitas descobertas a fazer, muitos sonhos e muitas realizações. Estamos sempre em constante processo de  feitura, como diria o meu mais novo autor preferido Padre Fábio de Melo.

Um comentário: