quarta-feira, 14 de julho de 2010

Rock'n roll na veia pt III - Os dinossauros



Olha que coisa mais linda o Ozzy no começo da carreira


Das poucas coisas boas que meu pai fez por mim, além de me doar a semente, foi o gosto musical que eu herdei dele... rss...
Ainda criança, me lembro que nas festas em casa, o rock comia, mas não era nada assim muito radical. Rolavam umas baladas dos dinossauros Sabbath, Queen, Creedence, Beatles, Stones... fora os Simon and Garfunkel, Elton John e outras coisas que ele ouvia e eu herdei.
Enfim, depois de um certo tempo, papai passou a ouvir sertanejo e graças a Deus ele saiu de casa em seguida, senão, eu teria ficado com resquícios de bosta espalhados na mente.
Mas graças a Deus, meu pai o dinossauro mor me deixou a veia rock'n roll que depois foi aprimorada pelos anos, com amigos e nos shows da banda Morgana, que guardo com carinho na memória.
Aí comecei a curtir Zeppelin, um pouquinho de Iron (mas bem pouquinho, rss), e comecei a ouvir as pauleiras do Sabbath, além de Deep Purple, The Who, e uma infinidade de bandas que não supunha que existissem...
Aí foi quando cortei os laços com os anos 90, adeus Guns, Metallica, U2... apesar de gostar muito ainda dessas bandas, vi que os dinossauros do rock são insuperáveis.
A melodia dos anos 60 e 70 é hipnótica. Não tem droga que se compare a um transe de ouvir The Doors. 
The end é a canção da viagem... 
Hoje sou mais feliz, não que não goste de outros ritmos, mesmo porque sertanejo, pagode, axé e funk não são música, rss...
Como diria o Veríssimo, fui apresentada às drogas, mas nunca quis usar.
Rock'n roll na veia!
EVER...

Nenhum comentário: