quinta-feira, 8 de julho de 2010

Live and let die

 Essa foto me fez pensar no quanto a vida é frágil... cabe na palma da mão.


Geralmente as histórias de morte, nos fazem refletir sobre a vida. 
Principalmente a vida que levamos, ou ainda o que temos feito com ela, como temos nos tratado, se temos nos dado a oportunidade de desfrutar esse presente que nos foi dado por Deus.
Um adolescente morreu de câncer. Um menino que não devia ter completado 14 anos. Isso me deixou meio reflexiva.
Como será receber a notícia de que se tem alguns dias de vida, principalmente quando se viveu tão pouco?
Quando não se fez nada que pudesse danificar a saúde.
Se não bebeu, não fumou, não usou drogas ilícitas...
O que leva uma vida tão curta a ser ceifada por uma doença tão terrível.
Infelizmente só entenderemos o que acontece depois que nos formos ou se (Deus nos livre) passarmos por tal situação, ou seja, recebermos a terrível notícia de que temos alguns dia, meses ou quem sabe anos de vida.
O que fazer numa situação dessas?Viver cada dia como se fosse o último? Chutar o balde e correr atrás dos nossos sonhos por mais absurdos que sejam? Buscar a tão sonhada felicidade até as últimas consequencias?
Pode ser... ou não...
Talvez, sentarmos num lugar seguro e esperar o abraço dela, a morte.
Retomando, a história do menino que morreu, é estranho ver esse tipo de coisa, porque gente sempre espera que os mais velhos morram antes... 


"Quando você era jovem
E seu coração era um livro aberto
Você costumava dizer "Viva e deixe viver"
Você sabe que dizia
Você sabe que dizia
Você sabe que dizia
Mas se este mundo sempre em mutação
No qual vivemos
Faz você se render e chorar
Diga "Viva e deixe morrer"


Live and let die, como diria o velho Paul.

Nenhum comentário: